Pular para o conteúdo principal

Arteterapia para idosos: garantia de motricidade e estímulo neural

Ela começou a ser usada de maneira terapêutica no século XIX, e desde então vem se mostrando uma técnica muito interessante para ajudar no tratamento de traumas e estresses.
A arteterapia pode ser usada como técnica de saúde para várias idades, mas é fundamental que seja aplicada por um profissional habilitado. No caso dos idosos, como explica a arteterapeuta que trabalha há quase dois anos com a terceira idade, Roberta Machado, atividade resgata a motivação, a sensação de capacidade, produtividade e criação. Além disso, resgata a autoestima e estimula a saúde mental.
De acordo com a especialista, além de trabalhar a questão motora e psicológica, a arteterapia também é uma excelente aliada ao estímulo da memória e cognição. ‘Quando o idoso é provocado a buscar soluções ao criar, pensar ou para planejar uma estratégia de execução, está estimulando seu cérebro e isso ajuda muito a manter a mente ativa”, afirma.
Catharina Correa, 82 anos, não perde as aulas semanais por nada. Mesmo com artrose no dedo indicador, faz questão de comparecer na sala de atividades do Sinfonia Vale do Sinos, residencial geriátrico que vive desde abril deste ano. “Eu gosto muito da Roberta e das atividades, fico muito feliz quando consigo acertar tudo”, afirma se referindo a finalização das ações propostas.
Para Roberta, a criação e a expressão são agentes facilitadores de prevenção e promoção da saúde. “No idoso, não tenho dúvidas de que, os efeitos da arteterapia, funcionam como elemento vitalizador”, conclui.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma calma que faz bem

A tranquilidade da jovem enfermeira Luana Suélen Budtinger, 26 anos, acalma qualquer coração.
A jovem Ivotiense formada pela Universidade de Caxias do Sul é só ternura quando se fala em trabalhar com idosos.
Enfermeira no Sinfonia desde julho deste ano, Luana relata verdadeira paixão pela profissão, ainda mais tendo a oportunidade de trabalhar com a terceira idade. “Eu gosto muito de idosos, é uma paixão e pra mim estar perto deles é uma alegria”

A jovem já teve experiências do tipo na cidade natal, ao trabalhar no hospital de Ivoti, pra ela o contato com os idosos traz lembranças amorosas dos avós que vê pouco por morarem longe.
Quando questionada sobre a escolha pela área da saúde, Luana é rápida e direta: "Escolhi ser enfermeira porque sempre gostei da área da saúde. A afinidade é tanta que digo que foi a enfermagem que me escolheu", afirma.


Se para muitos cuidar de pessoas pode ser desgastante, para a jovem entusiasta a sensação é completamente outra: “Poder cuidar de t…

Agradeço por ter que trabalhar

Brilhonos olhos e sorriso solto. Suélen Flesch, 22 anos, é do tipo de profissional que encanta por seu desempenho e carinho em tudo que faz. Há 9 meses no Sinfonia, exerce o cargo de recepcionista com entusiasmo e paixão.
Acadêmica de psicologia na Unisinos, a aquariana nascida em São Leopoldo projeta um futuro profissional voltado ao convívio com idosos, pois garante aprender muito com cada um deles.
Quando o assunto é o clima entre os colegas, não esconde seu entusiasmo pelos amigos que conquistou. “ Gosto muito dos meus colegas de trabalho, tudo fica mais fácil quando se trabalha com pessoas queridas. Nos dias que estou triste, no Sinfonia encontro minha alegria. Agradeço por ter que trabalhar”!



Sinfonia na RBS TV

Em breve a RBS TV, afiliada da Rede Globo, exibirá uma série especial sobre longevidade. O Sinfonia Vale do Sinos, localizado em Novo Hamburgo, é um dos residenciais geriátricos que aparecerá na matéria.

O diretor do empreendimento, Marco Sachet, explicou o modelo de negócio e ressaltou os benefícios de de viver em um ambiente preparado e estruturado para a terceira idade.

Imagens do dia a dia no residencial foram captadas, como por exemplo, do morador Aurélio Decker tocando piano no restaurante Carlos Gomes, localizado nas dependências do local. Aurélio comentou que se sente muito bem vivendo no Sinfonia e que sua vida agitada e repleta de compromissos jornalísticos é o que lhe da prazer. "Eu não paro nunca, estou sempre ativo e aqui acabo levando uma vida muito boa, sem qualquer preocupação", afirmou à repórter Guacira Merlin, durante a entrevista.

Na conversa, o repórter que trabalha há quase 50 anos no Grupo Sinos, mostrou a tatuagem que vez recentemente, em homenagem ao…